Aja como um candidato, pense como um empregador!

 

Nem sempre, enquanto candidato a um emprego, é fácil mostrar todo o seu valor, potencial e mensagem ao ‘lado de lá’…
É muito frustrante perder aquela oportunidade que parecia talhada à sua medida. E, muitas vezes, o que está a faltar para chegar ao seu objetivo é, simplesmente, uma questão de sintonia. Sintonia com o empregador.

Estará na hora de começar a pensar como um empregador…?

 

‘O que é que está a faltar?’

Mergulhe na realidade do empregador e procure perceber as reais necessidades do empregador, no que à sua possível colaboração diz respeito: precisa de desenvolver um novo produto, um novo mercado, precisa de inovar nalgum serviço que já presta, tem necessidade de se destacar da concorrência, precisa de melhorar procedimentos internos, comunicação interna?…
Procure entender bem a realidade da empresa e identifique a real necessidade subjacente à necessidade de recrutamento. Se isto estiver bem claro para si, será bem mais fácil mostrar os seus melhores recursos que serão a mais-valia para satisfazer essa necessidade.

 

‘Que problemas preciso de resolver?’

No contexto da empresa, quais os problemas com que esta se defronta? O que é que não está a funcionar bem? O que é que pode funcionar melhor? Quais as ‘dores’ do empregador, o que é que o ‘deixa doente’?
É crucial identificar os problemas com que a empresa se depara: é a sua oportunidade de mostrar as suas soluções e de que forma pode ajudar a resolver situações problemáticas.

 

‘O que preciso para enfrentar a mudança?’

Identifique bem as tendências do mercado em que opera a empresa: qual o rumo provável da empresa e dos seus produtos ou serviços? E da sua concorrência? Quais os desafios possíveis que irão surgir? A que níveis?
Aproveite para brilhar, partilhando as suas ideias e capacidade analítica, focando-se em questões práticas e essenciais.

 

O empregador não quer contratar alguém com uma impressionante lista de competências e cursos: procura alguém que demonstre valor para um contexto específico… Alguém que seja uma solução, e não ‘mais um problema’.
Deixe de falar nas suas competências e necessidades, e centre-se na sua capacidade para resolver os problemas e necessidades do empregador. Verá que capta a sua atenção…

 

 

Fotografia: Flickr, Steven Depolo