A chave para uma entrevista bem sucedida

 

Quantas vezes já saiu de uma entrevista de emprego com a sensação que deveria ter feito melhor…? Com uma sensação de arrependimento por não ter dito isto ou aquilo…?
A entrevista é uma etapa crucial num processo de recrutamento e seleção. O candidato com melhor performance na entrevista, geralmente, consegue o emprego. É que, na entrevista, o candidato é avaliado, não pela forma como faz/fez o seu trabalho, mas sim pela forma como descreve o que faz/fez profissionalmente e pelo potencial que consegue demonstrar.

Como garantir que descreve as suas mais valias de forma a conseguir destacar-se?
Como garantir um bom desempenho na entrevista?…

A entrevista em si…

Podemos identificar 3 grandes momentos na entrevista:
A Abertura, que é uma fase de primeiras impressões e para ‘apalpar o terreno’, da cordialidade e apresentações. É a fase que dá o mote para toda a dinâmica da entrevista.
Num segundo momento, de Pesquisa e Troca, o entrevistador vai procurar saber e/ou confirmar mais informações sobre o candidato, não como um fim em si, mas como um meio para perceber se o profissional pode fazer a função, qual o seu grau de motivação e se vai integrar-se na cultura da empresa. Este também é o momento para o entrevistado conhecer melhor a função e a empresa.
Por último, o Fecho da entrevista em que se finaliza a reunião esclarecendo dúvidas e demonstrando o interesse (mútuo) no processo.

Durante a entrevista, o profissional precisa de estar no seu melhor, no que à apresentação e linguagem não verbal diz respeito, demonstrando perspicácia e confiança nas suas perguntas e respostas.
E qual a melhor forma de garantir que na ‘hora H’ está ao seu melhor nível?…
Pergunte a qualquer atleta de alta competição qual o aspeto mais importante para chegar ao triunfo e este certamente lhe dirá que o sucesso era impossível sem um intenso trabalho de preparação!
É certo que precisa de garantir um desempenho consistente no decorrer de toda a entrevista e a energia que entrega no momento é determinante para a sua avaliação, mas a base para isso é, sem dúvida, a preparação.

 

A preparação é a chave…

Nem todas as variáveis de uma entrevista estão sob o controlo do candidato. Por isso mesmo, tem de garantir que todas aquelas cujo controlo está ao seu alcance estão devidamente acauteladas e previstas.

Preparação no sentido de:
recolha de informação,
– definição de objetivos para a entrevista,
– definição de uma estratégia (o que pretende transmitir, o que dizer, como dizer, quando dizer, o que perguntar, quando perguntar),
e treino.

De uma forma geral, os candidatos já estão cientes da importância de pesquisar a empresa em causa, o entrevistador e de estarem preparados para determinadas perguntas. É ponto assente que a preparação é uma das etapas da entrevista.
Mas os recrutadores continuam a detetar alguma falta de estratégia e preparação…
Mesmo os profissionais que já têm algum traquejo e mais experiência em entrevistas, precisam de estratégia e treino para o momento. Não basta confiar na personalidade e capacidade de improviso. É que até o improviso precisa de treino; já Mark Twain dizia que levava geralmente 3 semanas a preparar um discurso de improviso…
Não é pelo facto de ter de fazer apresentações em público ou reuniões importantes todas as semanas que isso o prepara para uma entrevista de emprego.
Cada entrevista tem um contexto próprio e, tal como qualquer outro compromisso profissional de importância para si, carece de preparação! E quanto mais e melhor se preparar, maior a probabilidade de sucesso.

É por isso que lhe sugiro que encare a preparação como o momento chave da entrevista de emprego, e que, na sua próxima entrevista, se prepare estrategicamente, qual ator de teatro que decora, ensaia, experimenta, revê, repete e repete antes de entrar em cena.

 

Fotografia: Flickr, Otterbein University Theatre & Dance